Copyright (c) FACOM/UFBA/COM024
Site produzido por:
Jussara Valim
Diogo Gomes

2000.1

      A miscelânea de culturas existente no Brasil é fator determinante para atribuir singularidade a esse país. A mistura de raças e de gostos encanta os visitantes e o transforma num ótimo lugar para se viver.

      Também no clima, o Brasil é bastante eclético. Apesar de estar localizado em grande parte na zona tropical, em alguns pontos do seu território pode-se detectar neve esporadicamente. O Nordeste é dono de um clima semi-árido que castiga o sertanejo e presenteia os freqüentadores das belíssimas praias de seu litoral. As regiões Norte e Centro-Oeste, também de climas quentes. O clima da região Norte sofre decisiva influência da presença da floresta Amazônica em seu território, enquanto no Centro-Oeste a distância do mar faz a diferença. A região Sul tem seu clima europeu com baixas temperaturas (inclusive abaixo de zero). A região Sudeste conserva um clima mais ameno. Isso talvez se deva à sua posição intermediária entre duas regiões de climas tão díspares (o sul e o nordeste).

      Toda essa variedade climática vai ser fator determinante na grande diversidade de paisagens. Regiões de floresta tropical a regiões de caatinga, do Pantanal ao cerrado; assim se apresenta o Brasil diante de nossos olhos. Na região Norte, o domínio não poderia deixar ser da maior floresta tropical úmida da Terra : a floresta Amazônica. Têm-se em território brasileiro 3,3 milhões de quilômetros quadrados de uma ímpar biodiversidade.

      A partir do Maranhão, o Brasil se transforma em região Nordeste. No litoral nordestino cordões de areia, dunas e tabuleiros estão presentes de forma marcante. Mas não é só. O litoral oriental é cravejado de restingas, dunas, lagunas e colinas; tudo isso além das deslumbrantes praias.

      Com início no Espírito Santo, a região sudeste contrasta restingas, lagunas e baixadas às escarpas da Serra do Mar e à Mata Atlântica tão depredada pela ação antrópica.

      O litoral da região sul, no Paraná, é recortado e apresenta saliências, pontais e ilhas, tendo como pano de fundo a Serra do Mar. Esta recua e se fragmenta em colinas junto à costa no Estado de Santa Catarina, alargando-se então rumo ao estado do Rio Grande do Sul. Neste, o litoral é amplo, baixo e retilíneo apresentando grandes restingas formadoras de uma barragem natural às lagoas costeiras existentes nas cidades de Patos e Mirim.

      As singulares quedas díágua de Foz do Iguaçu, são consideradas as mais belas quedas díágua do mundo. Amplia-se o Brasil pelo Pantanal mato-grossense, onde os rios criam pequenas lagoas garantindo a reprodução de aves de todas as cores e de plantas exóticas.

      Em Minas Gerais o viajante pode se deslumbrar com as grutas da Serra do Espinhaço e com o complexo cristalino de maciços formado pelas serras da Mantiqueira, do Mar e pela Chapada Diamantina.

      Como não poderia ser diferente, também a gastronomia do país faz juz ao título de nação multifacetada. No Rio de Janeiro, além da tradicional e indispensável feijoada, vale conferir a carapeba frita. Já no Espírito Santo, são obrigatórias a torta capixaba, as moquecas de camarão, peixe e siri. Tudo rigorosamente acompanhado do pirão.

      No Nordeste a formação cultural gerou a mais diversificada culinária do país. Comece pelos abarás e acarajés na Bahia. Antepostos aos vatapás e às moquecas de peixe, de ostra, de camarão, iguarias douradas pelo azeite de dendê. A cozinha nordestina ainda oferece pratos exóticos elaborados com carne de porco e de carneiro. Os pratos com aves vão desde o xinxim de galinha, passando pelas tripas à sergipana e chegando à galinha de Angola de Teresina. Ainda no Nordeste, não se deve dispensar a feijoada à alagoana, o cozido à baiana, o mocotó e o bobó de inhame, criações capazes de acalentar os mais exigentes paladares.

      Já no Norte a culinária é elaborada à base de peixes em especial na forma de caldeiradas. Destacam-se no Amazonas o Pirarucu e o Tucunaré, sempre acompanhados do pirão. No Pará, tornam-se indispensáveis uma pescada paraense, o pato ao tucupi e o tacacá. No Maranhão os camarões são o prato da vez. De todas as formas, mas em especial fritos ao alho e óleo.

      Também na região Centro-Oeste a mesa é farta em pesca. Especialmente o tucunaré, o pintado, o jaú, o dourado entre outros peixes. O viajante também terá a oportunidade de conhecer alguns pratos à base de caça, elaborados com carne de caititu, de paca, de veado, de porco do mato e de capivara. Por fim, o jacaré frito como especialidade regional.

      Na região Sudeste é fundamental que se provem três pratos: a galinha ao molho pardo, a leitoa pururuca e o tutu de feijão com torresmo e couve picada. Isso sem falar do feijão tropeiro, o frango com quiabo e a canjiquinha de milho verde com costela.

      Finalmente o Sul, onde os pratos variam da carne bovina aos frutos do mar. Churrascos servidos no espeto, pratos à base de frutos do mar, siris, camarões, lagostas e peixes elaborados ao forno, na brasa, em caldeiradas. Há ainda a típica cozinha do interior com destaque para o mocotó do campo, o arroz de carreteiro, a roupa-velha e o barreado.